top of page
Image by Christian Wiediger
  • Foto do escritorHonassys R. Rocha Silva

Explorando os Diferentes Exames de Campimetria: Revelando os Segredos do Campo Visual! 👁️📊


O que é o exame de campo visual?

Deixe sua curtida e se inscreva no canal.




Nesse conteúdo, eu vou lhe explicar o que é o exame de campo visual ou perimetria, muitas vezes chamado de campo visual ou de perimetria computadorizada.



Antes de começar, eu vou me apresentar. Eu sou o Dr. Honassys, sou médico oftalmologista e diretor da Clínica do Olho.


Para você entender o que é o exame do campo visual, vamos entender primeiro o que é o campo visual.

Quando a gente olha em um objeto com bastante atenção, nós observamos os detalhes daquele objeto.

Essa é a visão mais central que nós conseguimos enxergar, com bastante detalhe.

No entanto, se nós focalizarmos nossa atenção para a área periférica desse mesmo quadro, nós iremos perceber que existem várias outras informações.


Claro que sem tanta nitidez comparando com a área central dessa mesma imagem.

O olho humano é capaz de enxergar uma amplitude muito grande a partir desse 180 graus quando nós olhamos para frente.


Quanto mais periférica é a visão, maior e mais intenso tem que ser o estímulo para que nós possamos enxergar o que entrou em nosso campo de visão.


Nós enxergamos com a certa nitidez até 120, 130 graus de amplitude na horizontal e também na vertical.


E quando nós temos uma atenção a um objeto essa área mais central de 2 graus, de 10 graus ela tem uma nitidez muito maior do que a periferia da imagem.


O exame de campo visual ele mede como se encontra o nosso campo de visão através de algumas técnicas.


Existem basicamente três.


A primeira é um campo chamado de confrontação no qual o médico ou um outro examinador examina o paciente oferece ali alguns objetos para que o paciente enxergue saindo de fora para dentro e ele faz uma anotação no prontuário.


Essa é uma medida bem básica e bastante válida quando você não tem acesso aos equipamentos adequados para fazer a medida.


Esses equipamentos, e vamos para os outros dois tipos, eles são do tipo manual, campo

visual ou perímetro manual e o campo visual ou perímetro computadorizado.


A diferença basicamente é que no campo manual, o médico ou o examinador técnico ele coloca manualmente o estímulo da periferia em direção ao centro e faz uma anotação de acordo com a informação que o paciente fornece.


No campo computadorizado, essa informação, esse estímulo luminoso, ele é apresentado em diferentes locais, com diferentes intensidades no perímetro, no aparelho, naquela cúpula.


E é importante para que a precisão desse exame seja máxima, é que essa cúpula seja equidistante, ou seja, o estímulo colocado mais na periferia, ele deve ter a mesma distância do olho em relação ao estímulo colocado no centro.


Então, quanto mais existir a cúpula de uma maneira adequada e com um banco de dados confiável para que se possa comparar a sensibilidade de cada ponto, mais preciso vai ser esse exame.


E dentre esses exames de perimetria computadorizada, hoje o mais famoso, o mais aceito na comunidade médica é o do tipo Humphrey.


E talvez o grande diferencial desse aparelho seja o seu banco de dados, que ele é bastante conhecido entre os oftalmologistas praticamente no mundo inteiro.


Eu vou falar um pouco mais sobre o campo visual computadorizado.

Nós temos basicamente três áreas de medição do campo visual. Os 30 graus centrais os 24 graus ou os 10 graus centrais.


E aí normalmente na solicitação médica essa identificação é feita colocando como 30 2 ou 24 2 ou 10 2.

Normalmente os médicos que solicitam esses exames são médicos oftalmologistas neurologistas e eventualmente médicos clínicos.


Eu vou dar alguns exemplos de algumas doenças que podem afetar o campo visual.


A primeira é a DMRI, a degeneração macular relacionada à idade.

É uma doença que afeta a retina e afeta a visão central.


Então, nessa condição, usualmente o médico oftalmologista solicita o exame do tipo 10-2 ou o teste macular, porque a visão afetada é a visão central.


E aí, o quanto essa visão central é prejudicada pode ser de fato, isso medido através da perimetria computadorizada da área central da visão, geralmente o do tipo 10-2.


Segunda doença é o glaucoma.

Então nós medimos normalmente os 24 graus centrais por uma questão de praticidade, um exame mais confortável do que a medida dos 30 graus centrais.


Teoricamente, quanto maior essa amplitude feita, mais preciso para o diagnóstico de glaucoma é este exame.

No entanto, é um exame cansativo.


Eu já fiz esse exame e, de fato, a pessoa precisa estar ali concentrada. É um exame chamado de psicofísico, precisa da informação do paciente.



É apresentado um estímulo luminoso e toda vez que nós enxergamos aquele estímulo, nós devemos apertar um botão.


O aparelho emite algumas vezes um som para fazer


o teste do chamado falso positivo e do falso negativo, que são indicadores da qualidade daquele exame.


E por último, nas doenças neurológicas, são muito famosas alterações conhecidas como hemianopsias, que existem alguns tipos e essa análise, inclusive, ela é muito prazerosa de ser feita porque nós comparamos ali a visão, o campo visual dos dois olhos e a depender, inclusive, da combinação das informações, nós até podemos localizar aonde se encontra a lesão a nível cerebral.




E você, tem algo a compartilhar conosco com a sua experiência?


Se eventualmente você já fez um campo visual?



Você tem dúvidas a respeito de doenças oculares?

Coloque pra gente aqui nos comentários.




A gente vai ter uma máxima satisfação de elaborar um novo conteúdo.



Gostou desse vídeo?

Então assine e compartilhe com uma pessoa que tem DMRI, glaucoma ou alguma doença neurológica.



A visão é o sentido mais importante do ser humano.

Um grande abraço e até a próxima!


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page